Costela de boi fácil na brasa

Noutro final de semana, um amigo preparou uma costela de boi na brasa pra gente que resolvi filmar e aprender como se faz. Embora leve tempo, é bem fácil de fazer, não contendo nenhum passo muito complicado. Além disto, é uma opção leve pro bolso, pois costela de boi é um corte geralmente barato.

A costela de boi fácil na brasa foi também o que mostramos no quinto episódio do Bolonha Gourmet, nossa série a respeito de rango em geral:

Primeiro, deixe a costela marinando de um dia pro outro (umas 12 horas) num tempero que mistura vinho branco, cerveja, sal, orégano, chimichurri, vinagre e pimenta do reino. Tipo, pegue um recipiente qualquer que caiba a carne (de preferência) e misture os troços todos e deixe a carne mergulhada lá. Eu não tenho as medidas certas dos ingredientes, pois foi tudo no olhômetro, mas tomaria bastante cuidado com sal (gosto de salgar pra menos, por via das dúvidas) e especialmente com pimenta-do-reino, algo que deixa enjoativo pra caralho.

Depois, embale a carne no papel alumínio e coloque este pacote no fogo com a parte gordurosa pra baixo, a que tem mais carne. Pode deixar ela lá e esquecer por umas 5 horas. Quando ela estiver cozida, tire o papel alumínio e termine de assar na churrasqueira, começando com a parte do osso de cara pro fogo, mas virando sempre que julgar necessário pra assar uniformemente.

Depois, é só cortar e comer. Como não é uma costela de porco como aquelas do Outback, não acho que combina com molho barbecue, mas certamente uma pimentinha, um vinagrete e uma farofinha acompanham bem.

Pra beber, foi cerveja mesmo, mas eu fiquei mais no Jim Bean, o bourbon que experimentamos no dia anterior, quando a costela ainda tava pegando tempero e fiz uma resenha junto com o Bologna, de bobeira:

Observações

O papel alumínio agarra pra caramba na carne e no osso. É a única parte chata desta receita. Estou pensando em colocar uma cebola fatiada em rodelas na parte gordurosa da costela, a que fica mais tempo de cara pro fogo, pra ver se deixa mais solto. E cebola é sempre bom, até mesmo pra compensar essa soja aí que você come e que te faz andar rebolando.

Outra coisa que posso dizer é que certamente esta costela deve ficar muito boa se temperada com alho também. Testa aí e fala pra nós se deu certo.

Anticucho Peruano: Receita e curiosidades

O Anticucho Peruano é uma iguaria típica do Peru que consiste em deliciosos espetinhos de coração de boi, uma carne mal apreciada no Brasil, mas que faz parte da cultura do Peru. Como se fosse a feijoada em Minas Gerais, encontrada tanto em muitos botequins de rua como em restaurantes mais chiques o Anticucho é vendido tanto nos churrasquinhos de rua como nas casas sofisticada daquele país. Este post traz algumas curiosidades a respeito deste delicioso prato e também a receita, caso você queira tentar fazer.

Inclusive, o Anticucho Peruano foi o assunto do quarto Bolonha Gourmet, a nossa série de vídeos a respeito de rango do nosso canal:

Os espetos de Anticucho Peruano levam, idealmente, de um dia pra outro para serem preparados, são temperados com um molho vermelho excelente (que serve para temperar outras carnes, diga-se de passagem) e servidos com milho verde e um patê preparado com aji panca.

O espeto, antes de ficar pronto, tem um aspecto de miúdos mesmo, lembrando moela ou fígado de galinha, mas o sabor é bem diferente. Não que estes sejam ruins, mas o Anticucho não enjoa, pois não é aquele tipo de carne pesada que fica te empanzinando, mas é muito saboroso,

Vi fazendo a carne apenas na brasa, não sabendo dizer se rola de assar de outras maneiras, talvez na churrasqueira elétrica ou na grelha dê pra fazer, mas fique atento que para assar com carvão, precisa de deixar a chama bem alta, com as labaredas em contato direto com a carne. Inclusive, usou-se óleo de soja para aumentar o fogo, mas se algum dia eu tentar fazer o Anticucho, vou tentar com outro tipo de gordura, pois não estou a fim de virar soyboy. O estrógeno não dá não. Peruano que role no túmulo se isso significar a desonra do seu prato nacional.

Uma coisa que fiz também foi pegar o molho e usá-lo para temperar outras carnes, como asa de frango e picanha. Ficou bom demais também, embora o segundo caso trate-se de um corte que fica gostoso com qualquer tipo de tempero, não sendo muito parâmetro.

Outra consideração que posso fazer também é que tem que cortar direitinho e limpar bem. Parece ser meio trabalhoso este processo. O ideal seria sentar em frente de algum filme, série ou, melhor ainda, assistir vídeos de Doom na
Gaming Room enquanto se faz esta parte do preparo.

Enfim, gostei demais de conhecer este prato. Recomendo pra quem é fã do Peru (do país, não do seu objeto de desejo aí), pra quem quer dar uma utilidade melhor ao coração de boi do que fazer macumba ou pra quem tá a fim de conhecer e fazer algo diferente na brasa.

Receita de Anticucho Peruano

Rendimento: 3 a 4 pessoas por quilo de carne.

Ingredientes:

  • Coração de boi fresco;
  • 2 dentes de alho por quilo de carne;
  • Uma colher de sopa de sal por quilo de carne (diminuir, se o alho já estiver salgado);
  • 100ml de óleo por quilo;
  • Uma colher bem cheia por quilo de Aji Panca, mas depende do gosto ou da ardência do molho;
  • Uns 150 ml de vinagre por kg de carne. Deve-se acrescentar mais vinagre no caldo que vai molhar os espetos na hora de assar.

Modo de preparo:

  1. Colocar os espetinhos de madeira, preferivelmente de bambu, de molho na água na noite anterior, isto evita queimar os espetos quando estiverem no fogo. O ideal é que o coração seja preparando um dia antes e fique marinando no tempero, sem sal, até o dia seguinte;
  2. Com uma faca muito bem afiada, retire todo sebo, gordura e veias do coração. Esta operação é importantíssima, tem que ficar bem limpo;
  3. Com a faca inclinada cortar os pedaços de coração em pequenos bifes. Lembre-se que tem que espetar bife, não podendo este ser muito fino nem muito grosso;
  4. O sal deve ser acrescentado umas duas horas antes de assar;
  5. Enfiar a carne nos espetos e reservar o caldo que vai sobrar, acrescentando mais mais vinagre e óleo ao caldo, o que servirá para dar o sabor e criar uma fumaça enquanto estiver assando. Esta fumaça dá o cheiro e sabor característico do Anticucho;
  6. Confeccionar uma broxa de palha de milho para aspergir no caldo sobre os espetinhos quando tiver assando;
  7. Quando a churrasqueira estiver a 200 graus aproximadamente (aquele ponto que você não consegue manter a mão perto da grelha de tão quente), passe um pouco do caldo nos espetinhos e coloque para assar. Deixe até assar de um lado, vire e passe mais caldo por cima.
  8. Ao aspergir o caldo pode dar um pouco de fogo, isto é bom, mas o fogo não pode durar muito para não queimar a carne.
  9. Quando estiver levemente sapecado de cada lado está pronto para sair. Dê mais uma aspergida e sirva. Ele deve ficar sapecado por fora e suculento por dentro. Deve ser consumido ainda quente.
  10. Você pode corrigir o sal no molho.

Acompanhamento:

  • Acompanha milho cozido ou batata;
  • Um molho feito de aji verde (frutos do amarillo ou panca ainda verdes), batidos com queijo canastra, azeite, sal, gotas de limão e um pouquinho de vinagre, como um patê.

Dica simples para temperar carne de porco

Hoje, vou compartilhar uma dica simples para temperar carne de porco que eu aprendi com o meu tio que aprendeu não sei aonde, mas pra mim não apenas deu certo como é de fato ridiculamente simples.

Para ilustrar o procedimento de como eu prefiro temperar a carne deste maravilhoso e mágico animal e, de quebra, ensinar uma outra dica para pururucar a pele do porco, resolvi também gravar um vídeo com uma última fatia de uma deliciosa barriga de porco que tava sobrando aqui em casa para encher linguiça no enriquecer o canal. E isto acabou sendo o terceiro episódio da nossa série Bolonha Gourmet, diga-se de passagem:

Como você pôde ver, a dica consiste simplesmente em substituir o limão, que é usado mais tradicionalmente na hora de temperar o porco, pela Laranja Pêra Rio. O suco desta fruta vai deixar a carne bem mais macia e eu, particularmente, acho que deixa até mais gostosa. O resto do tempero você faz do jeito que te agradar mais ou da forma que já esteja acostumado, deixando o limãozinho pra acompanhar a carne quando ela já estiver assada (ou pra disfarçar o gosto destas pingas mata-rato que você compra).

Na minha experiência, os melhores resultados que obtive neste esquema foram deixando a carne mergulhada no tempero de um dia para o outro, mas isto depende, como eu falei, do jeito seu aí de preparar o porco. Só muda mesmo é o tipo de suco.

E, para pururucar, basta passar bicarbonato de sódio na pele ou na gordura. Deixa no mínimo uma hora que já dá resultado (se puder deixar mais, é melhor). Mas este segredo já não é tão secreto. Já tenho visto muita gente falando nele ultimamente.

Eu também acho que dá para você preparar a carne do jeito que você está acostumado. Eu já fiz na brasa, na chapa, no forno e na frigideira, trocando o limão pela laranja, e ficou bom em tudo. Importante ressaltar que tem que ser Laranja Pêra Rio. Serra d’água eu sei que fica ruim e com outras eu não testei.

Outra coisa que vale frisar é que isto não quer dizer que este método será SEMPRE melhor que aquela costela do porco do seu tio ou o lombinho da sua irmã (no bom sentido, é claro) que usam o limão mesmo. Talvez fique, talvez não.

Vale a pena testar até mesmo pra falar gente se deu certo ou não pra você, firmeza?